Archive for the 'Retrôs' Category

28
nov
12

Especial Viagens (edição 14) – Tallinn (parte 3: no estádio da seleção nacional UPDATE)

Como havia prometido à vocês, voltei ao estádio da seleção nacional da Estonia, o A. Le Coq Arena , para ver o que pintou de novo por lá nos últimos meses. Pra vocês conferirem melhor não só a loja em sia e suas novidades, aproveito pra mostrar algumas coisas que vi ao me aproximar do estádio.

 

Começando por um carro decorado com o escudo do Kalev, provavelmente da comissão técnica do clube. Apenas fiquei pensando o quanto poderia dar de problema no Brasil um carro decorado com o escudo de alguma time bem grande circulando por regioes onde o tal time não é unanimidade…

Photobucket

 

Na Europa em geral as torcidas organizadas costumam demarcar território colando stickers em postes ou lugares do tipo. Nos arredores do estádio tinha uns postes que pareciam verdadeiros totens de tantos adesivos. Particularmente até acho legal porque o post não fica tao sem graça e você acaba vendo que torcidas passaram por aquele lugar. Nas fotos abaixo vemos stickers de times da Russia, Irlanda, Hungria e outros…
Photobucket

Photobucket

Photobucket

 

Já que muitas vezes as partidas da liga estoniana não enchem estádio, geralmente as partidas do time dono da casa, Flora FC, acabam acontecendo mesmo nesse mini estádio fora do estádio em si. Podemos até dizer que essa sim é a verdadeira casa do Flora.

Photobucket

 

Se aproximando do estádio, se vê a lojinha da Sportland lá no cantinho, perto do carro.

Photobucket

Photobucket

 

Na vitrine, os novos uniformes da seleção nacional, assim como o primeiro uniforme feito pela Nike, emoldurado.

 

Em mais detalhes, o ponto onde mostram o novo uniforme da seleção

Photobucket

Photobucket

Dessa vez também cheguei a encontrar o uniforme de treino dele. Nada demais, porém mais discreto e barato.

Photobucket

Ainda vendia camisas mais antigas da seleção, mas a oferta de tamanho era bem reduzida.

Photobucket

Photobucket

Além da linha de futebol da Estonia, também estão à venda os uniformes usados pela delegação olímpica nacional nas últimas olimpíadas. A t-shirt eu curto muito por conta da tipografia.

Photobucket

 

Uma jaqueta N98 versão mais atualizada…

 

Photobucket

Photobucket

E uma polo simples, mas  bem classuda.

Photobucket

A novidade dessa vez ficou por conta das camisas de tmes da Estônia também.  Da última vez não tinha uma oferta assim tão grande , mas dessa vez capricharam mais na variedade.

Photobucket

 

A camisa do Nõmme Kalju, atual campeão da liga.

Photobucket

Modelo away

Photobucket

Camisa do Levadia, o time dos imigrantes russos, dessa vez também tinha, apesar de ser um modelo bem genérico.

Photobucket

 

 

Camisa do Tallinna Kalev, fabricada pela Jako

Photobucket

E o modelo do ano passado, do centenário do clube.

Photobucket

 

A camisa do Paide também é interessante com esses  raios do padrão Nike, e as cores me fez lembrar do Bonsucesso, hehehe…

Photobucket

Bom, além das novidades já mostradas acima, outra grande novidade é que agora você pode comprar qualquer uma das camisas que vocês acabaram de ver! Já que estou passando no Brasil em dezembro, se você tiver interesse em alguma dessas camisas, dê uma conferida nesse album do Facebook que eu fiz, e lá você pode saber mais detalhes sobre preço, tamanhos disponíveis e como comprar, certo?

Acesse lá, leia o subtitulo do álbum e me manda um email, para tonibordallo@gmail.com

 

Boas compras!

 

 

 

15
nov
12

Especial Viagens (edição 12) – Tallinn (parte 2: no estádio da seleção nacional)

Em Tallinn, após conhecer melhor a cidade e suas lojas de artigos esportivos, todos os vendedores me diziam que na loja do estádio tinha muito mais coisa dos times nacionais. Depois de ouvir isso mais de 4 vezes, resolvi ir lá conferir.

O estádio A.Le Coq Arena é o maior do país, e apesar do nome, não  tem NADA a ver com a marca francesa Le Coq Sportiff. A coincidencia se dá pela detentora do naming rights do estádio ser uma das marcas de cerveja líderes do mercado estoniano, a A.Le Coq. Além de ser sede da seleção nacional, o estádio também é casa do time Flora, um dos mais populares e vitoriosos da Estonia.

 

 

Painel na vitrine da loja, destacando o time do Flora, com um template igualzinho ao do Celtic anos atrás.

 

De fato a loja do estádio, da rede Sportland, é a melhor do país, com direito a  algumas camisas emolduradas e outras relíquias em  exposição, e mesmo artigos usados pela  grande  estrela do futebol no país, Joel Lindpere, que joga no New York Red Bulls.

 

 

Mesmo com tanta coisa assim os únicos uniformes que  achei de times locais foram do Flora, claro, e do Tallinna Kalev, mas mesmo assim nem uniforme reserva tinha por la…

O do Flora, com se vê, é apenas um template genérico com o escudo do clube.

O do Kalev, mais  caprichado, é o modelo comemorativo de 100 anos do clube, e até o escudo teve um trato melhor pra comemorar a data.

Da seleção nacional, eles tinham, naturalmente uma seção só com esses produtos,e  tinha coisa interessante por lá.

Esse agasalho, estilo os as trackjackets em V da Nike, mas generico.

Uma camisa promovendo o jogo que ia decidir a classificação deles pra Euro 2012, no simbolico dia 11.11.11 . Pessoalmente eu acho que essa camisas tem muito mais graça pra gente, pelo exotismo de se ter uma camisa escrito em estoniano, hehe…

Como não podia deixar de ter,  vários cachecóis  e de vários times locais, mostrando mais uma vez que por aqui o publico se interessa mais em ter o cachecol do clube do que a camisa mesmo…

Mesmo assim eles tinham até camisa retrô da seleção da Estonia, e feita pela Nike mesmo!

Sim, acredite, antes da União Soviética eles foram país independente por 20 anos e nessa época tinham sim seleção nacional e participaram inclusive das Olimpíadas de Paris, torneio que equivalia à Copa do Mundo na época.

 

Mas melhor que a versão da Nike eu achei mesmo uma polo genérica que fizeram por lá.

Sim , além dessas também tinham camisas de times europeus em geral, inclusive times russos, como o Spartak Moskva, pra suprir a demanda imigrante local.

Esse passeio foi feito na loja em janeiro desse ano. A nova temporada chegou, assim como novos artigos e  por isso o próximo post será um update desse, de uma visita que fiz lá essa semana. Aguardem!

 

 

 

24
out
12

Especial Viagens (edição 10) – Londres. Nada mais a declarar

No último verão, faltando 3 semanas pra abertura dos Jogos Olímpicos, dei um pulo na capital britânica pra sentir essa atmosfera olímpica no ar. Digo pra vocês que quem vai a Londres não volta de lá a mesma pessoa: é tanta coisa pra ver e viver, e tão pouco tempo, que  mesmo se eu descrevesse tudo com fotos não seria suficiente.  Assim como  no post de Paris, um post é muito pouco pra mostrar o que achei de sportswear por lá, e por isso que também vou fazer esse post apenas com breves introduções pra  servir como um roteiro básico se um dia você for pra lá e também quiser ver o que a cidade tem a oferecer…

Começando com a tradicional – e gigantesca, e glamurosa – loja de departamento Harrods. Não dá pra descrever, tem que ir lá pra ver. Por lá eu destaco o fato de que eles tem uma sessão de Sportswear bem grandinha, com 2 ambientes e , apesar de ser Harrods, pra camisa de futebol o preço tava bem bonzinho, principalmente se levarmos em conta as camisas da temporada que tinha acabado de terminar, que saíam por módicos 19.95 Libras.

 

E sim, o clima de Olimpíadas imperava.

Um lugar que considero um verdadeiro must pra colecionador é qualquer filial da Sport Direct. Na boa, parece que eles tratam material esportivo como commodity. É um bunker gigantesco, cheio de artigos esportivo entulhados, mas o preço é SUPER baixo em comparação com os outros. Vale dizer que os provadores tem cheiro de vestiário – com direito a nhaca e tudo – mas pelo preço que você vai pagar até que vale a pena passar uns 4 minutos de sufoco lá dentro…

John Lewis era a loja parceira dos Jogos Olimpicos, e por isso eles tavam com uma sessão gigantesca de produtos licenciados das Olimpiadas, com direito a muito material esportivo, mas não fugia mito do tema Olimpíadas.

No Estádio de Wembley (que pra mim visitá-lo foi um dos pontos altos da viagem. Recomendo a todos), vale muito a pena mesmo dar uma entrada na Loja do Estádio e ver como que eles exploram bem o tema The English Team, com  uma infinidade de souvenirs, camisas da seleção de  inúmeras cores, de todas as épocas e com direito a modelos retrôs também de vários times do país.

 

 

…Mas ser a loja do Wembley Stadium vale a pena visitar, obrigatório mesmo é, na volta pro metrô (ou quando você estiver saindo do metro em direção ao estádio, por que não?) dar uma passadinha no estacionamento que tem logo ao lado do caminho, e entrar no galpão da JD Sports. Aquilo lá é de deixar qualquer colecionador maluco! MUITA promoção. Camisas a preços que você só vai achar por lá mesmo, coisa pra acabar o estoque mesmo. O patrão ficou maluco.

 

Passeando pela área central da Piccadilly Circus, o legal também é pintar na Nike Town. Vários andares,  arquitetura imponente, luxo… porém é só pra olhar mesmo. Os artigos são exatamente os mesmos de qualquer Nike  Store de qualquer lugar do mundo, e a preços igualmente proibitivos se comparados à outras lojas.

 

Pra terminar esse post, uma banquinha de souvenirs em Covent Garden com camisas e agasalhos de futebol piratas. Com tanta camisa a preço baixo eu até achei engraçado ter espaço pra piratonas. Porém se o visitante comumm pode pagar 10 pounds em vez de 19 por uma camisa de lembrança apenas, por que não, né?  E além disso tem os  cachecóis, que por essas bandas  se acha com muito mais facilidade que  camisas de futebol.

Bem, de uma forma super resumida, Londres é  isso!

🙂

22
out
12

Especial Viagens (edição 9) – Estocolmo, a capital do futebol escandinavo

Após voltar do Brasil a temperatura voltou a subir por essas bandas e finalmente chegou a alta estação, o que pra quem passa invernos com neve é sinônimo de  temporada de viagens, enquanto o clima ajuda. A vantagem de morar por aqui é que países considerados exóticos para os brasileiros por serem distantes (Russia, Letonia, Finlandia, Lituania e Suécia), estão há poucas horas de viagem daqui. Aproveitando essa oportunidade, peguei um cruzeiro baratinho (sim, daqui dá pra pegar um a partir de 35 Euros) e rumei em direção a Estocolmo, capital do Reino da Suécia.

De cara, na rua vejo um sticker (por aqui pela Europa essa coisa de colar  adesivos em postes e locais públicos é uma verdadeira mania) mostrando quem é que manda por aquelas bandas.

Se não entendeu bem, esse é o escudo do Djurgårdens (lê-se “Diurgôrdens”), um dos times grandes da capital sueca.

Andando pela Drottninggatan, uma rua para pedestres cheia de comércio popular no centro de STHLM, se acha muita loja de souvenirs, mas se quiser algo esportivo, só de hockey mesmo, o que não deixou de ser um ótimo “Welcome to Sweden, Antonio!”.

 

Pra conseguir achar algo mais específico de futebol, tive que ir perguntando pras pessoas nas  lojas, até que me disseram que tinha uma Intersport na Sergelgatan, outra rua de pedestres perto da Sergel Square.  Custou, mas consegui achar!

Por lá, a primeira imagem de impacto foi essa.

Sim, finalmente cheguei numa loja sueca de artigos esportivos!

Para minha surpresa, o primeiro time de futebol local que apareceu na minha frente foi o Hammarby, do subúrbio de Estocolmo. A camisa do time não tem assim nada demais, mas até que os outros artigos me pareceram legais.

 

 

Depois , naturalmente, apareceram as camisas do Djurgårdens, e o AIK

 

Inclusive seus respectivos cachecóis, um item que por essas bandas creio vender mais do que a própria camisas em si.

Já que o hockey por lá  é outra paixão, também era natural achar camisa da seleção sueca de hockey, mas era bem carinho, uns 80 e poucos euros …

Além disso, tbm tinha uma daquelas camisas que a gente  usaria exatamente por nao entender praticamente NADA do que tá escrito.

🙂

 

Mas pra mim o artigo mais  interessante que achei por lá foi numa loja simples de souvenirs. Era uma camiseta amarela, sem nada além quem um escudo da seleção sueca em sua forma mais simples, estampado em silk,  que daria um ótimo modelo retrô, sem maiores pretensões, e por modestos 6 Euros.

Uma pena mesmo que só tinha tamanho infantil…

 

08
out
12

Especial Viagens (edição 5) – Paris (parte 1 – apenas aperitivos )

Paris é uma cidade que dispensa comentários, e pela grandeza que ela representa – e as coisas relativas ao sportswear que ela me mostrou – naturalmente que não vai caber num só post. Talvez em 3, 4 ou 5 mesmo. Por isso que esse post sobre Paris vai servir apenas de overview sobre a cidade, além de uma mostra dos futuros posts sobre a cidade-luz, que eu vou aprofundar assim que eu mostrar uma a uma as cidades que eu passei. Vou começar pelos detalhes futebolísticos que a cidade me apresentou:

Pra começar um cachecol do Paris Saint-Germain  com sua versão parisiense de “Aqui é Corínthians!” , ou seja, “Ici c’est Paris” (“Aqui é Paris”), lema que  por si só já tira onda sem precisar dizer mais nada…

 

Num outdoor na rua anunciando o novo CD de um artista local, uma montagem como se o mesmo fizesse parte de um álbum de figurinhas de futebol francês dos anos 70. Quem já viu sabe que isso remete à muita nostalgia…

 

Sim, numa região como turística como Montmartre naturalmente vc vai encontrar souvenirs fajutos, assim como essa camisa de Paris com o template de Liverpool de anos atrás….

 

Uma raridade que coçou a mão, principalmente pelo seu simbolismo foi essa camisa da seleção da França de 98. Primeiro porque é uma camisa linda, segundo porque é um modelo novinho, ainda vendido na vitrine (provavelmente filha única de pai castrado), e terceiro, porque está à venda numa loja em Paris, camisa do time local que ganhou a Copa do Mundo lá pertinho. Precisa mais argumento?

Agora adiantando uns temas que vou abordar mais profundamente no futuro sobre Paris. O primeiro é a loja Boutique Rugby, a primeira loja 100% dedicada ao rugby que já entrei. E tinha que ser em Paris!

 

Desde 1999 eu ouvia maravilhas da rede francesa de lojas esportivas Decathlon. Ela chegou até São Paulo, mas no Rio que era bom, nada, e portanto nunca tive como conhecê-la por dentro. Em Paris, portanto, conheci essa loja enorme, com 3.300 metros quadrados de material esportivo, e essa visita à sede francesa da Decathlon  me surpreendeu bastante!

 

Na galeria Printemps o grande destaque foi pra uma marca francesa que se dedica a produzir camisas retrôs de times e seleções de RUGBY! Algo inédito até então!

 

Perto da galeria Printiemps , o destaque é a galeria Citadium, com 4 andares com o melhor do sport e streetwear!

Os Champs Elisées não poderiam faltar nessa ronda pelas lojas esportivas, e é lá que mora o créme-de-la-créme das marcas esportivas também. Pra começar, a fachada da Nike Store.

E se “Aqui é Paris”, naturalmente que o time que é orgulho local tem uma grande representação na rua mais charmosa da cidade, com sua PSG Store.

 

Como não podia faltar, a Adidas também tem uma mega store nos Champs Elisées, com direito a uma mega camisa de França genérica logo na entrada.

Sim, já que a seleção de futebol veste Nike agora, eles só puderam mostrar esse modelo, que inclusive tava à venda na loja…(pode clicar na imagem pra ver maior)

E aí, curtiram?Então aguardem que vem muito mais aí!

01
out
12

Especial Viagens (edição 3) – Riga (Letônia): apenas a 1a impressão

Minha primeira viagem saindo da minha nova casa foi pra capital dum país vizinho que fica mais perto do que a distância Rio-São Paulo: de Tallinn pra Riga, na Letônia, a distância de carro é de apenas 4 horas,  e por isso que a integração entre os dois países é intensa assim como da Estonia com a Finlandia (que de barca leva 2 horas no máximo).

A Letonia até parece ser um pouco melhor de bola do que Finlandia e Estonia (participaram inclusive da Euro 2004, o que por essas bandas é a verdadeira glória), porém o que ofusca o esporte é o basquete e também o hockey, que os russos adoram e portanto agrada a maioria dos imigrantes vindos de lá. O grande símbolo LetÇonia no esporte atualmente é o Dynamo Riga (ou R?gas Dinamo ), que participa da KHL (Liga Continental de Hockey, que participam times da Russia, Eslovaquia, Ucrânia, Republica Tcheca, Bielorússia, Cazaquistão  e Letonia) e por conta disso parece que todo o marketing da cidade é ligado à esse time.

Falando de material esportivo, até que nas lojas de souvenirs achei uma camisa piratona ou outra, mas nada oficial. Inclusive em lojas de artigos esportivos consegui a façanha de não achar nenhum uniforme de seleção alguma da Letonia. No máximo achei uma prateleirazinha com alguns artigos mais pra turista ver que serviram como um mero “Welcome to Latvia, Antonio!”

Já que fiquei apenas dois dias por lá, sabia que tinha mais coisa, mas dessa primeira vez teria que  aceitar o fato de que lojas de artigos esportivos não vendiam camisas do pais.

Curiosamente, de volta à Tallinn, em duas ocasiões achei dois itens do país vizinho cor de vinho. Primeiro, no outlet a Adidas (sim, amigos, tem por aqui e vai ser tema de futuros posts, aguardem…) um moleton, associando a NBA ao país, provavelmente por conta do jogador Andris Biedri?š que joga na tal liga.

O outro item também é bem curioso, é a camisa abaixo, que mesmo se nao for, daria uma ótima camisa retrô da seleção da Letônia (e quando digo retrô, no caso dos países bálticos, é algo BEM retrô mesmo, já que em geral eles foram independentes por cerca de 20 anos apenas, antes de anexados pela União Soviética em 1940). Digo que daria porque a seleção de futebol nunca vestiu Le Coq Sportiff, mas mesmo assim ficou um modelo muito legal:

E aí, o que acharam?

Fica o registro de que essa foi apenas a primeira impressão da cidade, de quem chegou e teve apenas 2 dias pra conhecer e procurar as lojas de artigos esportivos. Vai ter ainda muito ais pra se contar de lá, podem aguardar!

Na proxima edição da série, uma visita à uma cidade que respira “calcio”: Milão!

17
maio
12

Na Adidas existem retrôs e RETRÔS…

Agora há pocuo vi to TSC  que foram lançadas novas camisas retrôs  da  Adidas para aproveitar o clima de Euro 2012…

Como o próprio editor do Minhas Camisas disse,  também não achei lá tanta graça (apesar desse da Espanha eu ter um carinho especial por ser minha “moeda numero um do Tio Patinhas”, a 1a camisa da minha coleção), porém quando a  Adidas resolve caprichar, ela também lança modelos com os abaixo, já disponíveis no SubsideSports

 

E pelo visto só não lançou o modelo 88 da Holanda porque os mesmos resolveram vestir Nike hoje em dia…

Como acabaram de ver, existem retrôs e RETRÔS da Adidas…




Esse blog é dedicado à todo tipo de roupa que tenha algo relacionado à esporte, do Cricket ao Futebol Gaélico. Esporadicamente postarei algo de StreetWear quando interessante.
Carioca, 28 anos, colecionador de sportwear há pelo menos 13 anos e cursando o 2o. ano de Moda da Universidade Cândido Mendes(RJ). Não me limito à colecionar peças de futebol apenas. Já que meu foco é antes de tudo a estética da roupa e a "wearability" (além da história e preço da peça), me intesso por uniformes de Rugby, Polo Eqüestre, Basquete, Volleyball, Hockey, Cricket, Futebol Australiano ,Futebol Gaélico e qualquer outro esporte que inventarem e tiver um uniforme bonito pra se usar por aí...
maio 2017
S T Q Q S S D
« maio    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Minha Coleção + peças à venda

DSC05410

Mais fotos

Blog Stats

  • 702,791 hits